FILME RODADO NO INTERIOR DO CEARÁ GANHARÁ VERSÃO NORTE-AMERICANA

'OS OLHOS DE ALICE', DE LAMARCK DIAS, FOI PRODUZIDO E GRAVADO NO MUNICÍPIO DE AURORA. A HISTÓRIA ABORTA A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE JOVENS.

FILME RODADO NO INTERIOR DO CEARÁ GANHARÁ VERSÃO NORTE-AMERICANA
Os atores Marcos Wainberg e Miguel Nader em cena no filme.

Gravado no município de Aurora, no interior do Ceará, o filme “Olhos de Alice”, lançado em 2017, ganhará uma versão feita nos Estados Unidos. O longa-metragem de ficção, batizado de “Alice’s Eyes”, será inteiramente feito no estado de Tennesse. O responsável pela adaptação é o fotógrafo e cineasta carioca, radicado em território norte-americano, Wallace Moura. Com 30 minutos de duração, o curta-metragem brasileiro narra a história de uma jovem que é violentada e abusada sexualmente pelo pai, que depois a entrega para trabalhar em um bordel como prostituta. “Trouxe esse tema da exploração sexual, porque há muitos casos em Aurora e no Interior. Acredito que a arte tem que ter uma missão, uma função social”, justifica Lamarck Dias, autor da história, que dirigiu o filme ao lado de Daniel Rizzi. Amigo de Daniel há muitos anos, Wallace sempre acompanhou o trabalho do diretor e, por isso, conheceu a história de “Os Olhos de Alice”. Na nova versão, o roteiro será adaptado para abordar o tráfico de pessoas para a exploração sexual. “O tema me chamou atenção. Isso vem sendo muito discutido aqui nos EUA”, explica o cineasta, que há oito anos mora no País. Natural de Aurora, Lamarck Dias conta que recebeu com muita surpresa o contato de Wallace e seu interesse em transformar o filme num longa-metragem. “Ele me contou que acompanhou o processo desde o começo e aguardava o resultado para, então, fazer contato comigo”, lembra. Com a autorização para o projeto ser gravado nos Estados Unidos, o cearense vem acompanhando todo o processo. “Wallace tem sido muito generoso, respeitoso. Acompanho desde as adaptações no roteiro, até onde serão feitas as exibições. Todos os detalhes tem sido conversado”, garante.

As gravações acontecerão em Bristol, onde Wallace mora, e em Blountville, cidade vizinha. Até agora, o script já foi adaptado de um curta de meia-hora para um longa. “Nem todos os diálogos estão desenvolvidos, mas já selecionamos vários atores”, antecipa Wallace. A atriz que fará o papel principal de Alice também foi escolhida. “Com ela, vamos poder selecionar o papel de sua mãe e dela na infância”, completa. Ao todo, serão cerca de 25 atores com diálogo e mais 76 figurantes. O projeto já conta com um site no ar: aliceseyes.com. Este será o primeiro longa-metragem de ficção do carioca, que já trabalhou em alguns curtas e clipes musicais. “Muitas histórias paralelas foram criadas. A gente vai explorar desde o casamento do pai de Alice, seu mau relacionamento como marido, que não é mencionado, até a infância dela. Vamos abordar também a adolescência, quando ela sofre os abusos, e é encaminhada para a organização de tráfico de pessoas. Lá, mostrar a vida de outras meninas. É bem mais complexo”, detalha Wallace. Lançado em 2017, “Os Olhos de Alice” foi feito a partir de um projeto independente, realizado, em sua maioria, por profissionais da região do Cariri cearense. O filme contou ainda com os atores globais Marcos Wainberg e Miguel Nader. “Os dois abraçaram a causa do filme, do cinema do interior”, acredita Lamarck.